O ORGULHO PODE CUSTAR-TE O AMOR DA TUA VIDA

São cada vez mais frequentes as historias que me chegam, sobre casais que se separam mas que continuam a amar-se. Historias com o “não viveram felizes para sempre”, por desistirem de lutar apenas por uma questão de não perderem o orgulho [chamo-lhe egoísmo]. Apenas porque não querem mostrar a vulnerabilidade inerente ao Amor.
É mais fácil, ficar em silêncio para sempre e manter a palavra aparente para os demais do que autoanalisar-se e permitir-se a aceitar os próprios erros e desafiar-se a mostrar vulnerabilidade pedindo desculpa.
É mais fácil fingir que está tudo bem e que o Amor desapareceu… É mais fácil continuar uma vida de aparências e de padrões repetitivos de relacionamentos preenchedores de vazios, mas fugazes…
É mais fácil dizer que o Amor não existe, mesmo quando ele nos inunda por dentro. 
É mais fácil manter a imagem que todos reconhecem, mas ser menos feliz…

Muitas vezes, temos tanto medo de viver, tanto medo do desconhecido, do futuro, que acabamos por limitar-nos ao ponto de não nos permitirmos a viver o grande amor da nossa vida. Para que o possamos viver, o medo tem de ficar no passado. A vulnerabilidade surge e nós só a podemos aceitar e viver cada dia com amor, com fé e capacidade de transformar os momentos mais difíceis em momentos de construção e não de rotura. 
Não existem relações perfeitas, existem relações que exigem trabalho, dedicação, cedência, compreensão, amizade, companheirismo, cuidado, amor… Existem relações felizes. E não dependem da sorte. Dependem da capacidade do casal de se adaptar e evoluir em conjunto. Não desistas ao sentir que estás a sair da tua zona de conforto. É nesse lugar que ocorre a evolução e a oportunidade de ser feliz!

Escolhe sempre o Amor! Mesmo com medo… Nunca, mas mesmo nunca, percas o AMOR da tua vida por ORGULHO.

Com amor,
Débora ♡