HAVERÁ MUDANÇA?

Caminho pelas ruas enquanto passeio o Oscarzinho e sinto uma dissonância de emoções em mim…

Sinto paz pois estou bem comigo, pois sei que tento fazer o melhor todos os dias, por mim e pelos que estão ao meu alcance. Sentir paz, não significa que tudo corre bem, significa que tudo é integrado e aceite apesar de às vezes [muitas] doer.

Sinto tristeza, pelos parques infantis fechados… Pelas ruas vazias, pelas vidas em pausa. Sinto tristeza pelas pessoas que estão sozinhas e sem paz. Sinto tristeza sobretudo pela humanidade. Pelos que estão a sofrer e pelos que continuam sem sentir amor e compaixão.

Percebo que existem muitas pessoas neste momento a proferir palavras bonitas e de solidariedade mas que na realidade servem apenas para alimentar a imagem que querem passar a quem os “lê”, pois, continuam preocupadas apenas com o seu umbigo. É fácil dizer coisas bonitas e usar o amor como camuflagem, mas é tão triste ver esta realidade. Vejo-o até nos que me estão próximos e se alguns até admirava, neste encontro de verdade, sinto apenas pena destas almas pequenas.

É na crise que conhecemos a essência das pessoas e por mais que usem mascaras e tentem disfarçar, há quem tenha a sensibilidade de ler a verdade e essa verdade revela quem conseguirá evoluir neste compasso de espera e quem alimentará uma alma sem amor apesar de o gritar em cada partilha.

Deixo a questão: haverá mudança? É este o momento de cura global? Ou será apenas para aqueles que se permitem a ser vulneráveis e iguais enquanto seres no ser e no sentir?

Com amor,

Débora ♡