Serviços

Ao longo da nossa vida, passamos por grandes transformações.

Transformações que nem sempre são fáceis… Muitas vezes sentimo-nos como “lagartas”. Tudo nos parece o fim. Mas, até quando o fim parece o único caminho, pode dar-se uma transformação. Tal como a lagarta, que enfrenta dificuldades e pensa que a vida está perto de terminar, se transforma numa linda Borboleta, também nós, na nossa vida encontramos inevitavelmente borboletas e lagartas, coisas boa e coisas menos boas! Contudo, as realidades negativas podem sempre fazer nascer algo de bom!

Quais serão as “lagartas” que terá de suportar? E quais as “borboletas” que espera conseguir? Neste processo de transformação, proporcionamos a oportunidade de Voar, a todas as Borboletas! Criar, transformar, mudar e ter coragem de aceitar!

O processo terapêutico procura promover o seu bem-estar, favorecendo uma maior satisfação consigo própria(o), com os outros e com a sua vida. Trata-se de um processo de desenvolvimento, que se inicia com a clarificação da dificuldade apresentada. O objetivo é potenciar-lhe a capacidade de agir na sua vida de forma mais coerente com as suas necessidades e aspirações e simultaneamente estabelecer relações mais gratificantes com os outros.

Inicie já este caminho e atreva-se a voar!


O processo terapêutico é um processo de reconhecimento e descoberta de si próprio, dos seus problemas, do seu funcionamento; e de exploração e experimentação de possibilidades de mudança, de transformação, que possibilitem maior bem-estar e autorrealização.

É um processo de desenvolvimento pessoal mas acompanhado. O terapeuta funciona como um facilitador do autoconhecimento e da mudança. Alguém que ajuda a descobrir recantos escondidos, significados potencialmente transformadores, e incentiva a experimentação de novas possibilidades.

Áreas de Intervenção:

  • Baixa Autoestima
  • Depressão, tristeza e perturbações do humor;
  • Ansiedade, stress e problemas associados (pânico, fobias, stress pós-traumático, comportamentos obsessivo-compulsivos,…);
  • Problemas emocionais;
  • Dificuldades relacionais, problemas conjugais, problemas familiares;
  • Dificuldades de adaptação a mudanças, novas situações de vida;
  • Dificuldades na tomada de decisões;
  • Problemas profissionais, vocacionais;
  • Perturbações da personalidade;
  • Problemas alimentares;
  • Problemas sexuais;
  • Questões relacionadas com identidade sexual;
  • Luto;
  • Adicções;
  • Desenvolvimento pessoal;
  • Entre outros de foro psicológico.

A criança, desde que nasce e nas diferentes fases do seu crescimento pode ser confrontada com desafios e exigências que devido à sua personalidade e a algumas condicionantes da sua vida, poderão ser sentidos de maneiras diferentes, dando origem ao sofrimento na criança e traduzir-se em diversos sintomas.

As capacidades simbólicas da criança não estão ainda desenvolvidas como as dos adultos, e a verbalização do sentimento pode ser difícil de expressar através das palavras, utilizando-se assim o brincar, o jogo e o desenhar como meio de comunicação, que permite chegar aos seus conflitos internos e emocionais.

O verdadeiro diálogo e a empatia para com uma criança, começa por sabermos estabelecer uma relação adequada com ela. Muitas vezes os pais sentem-se aflitos e culpados, sem saber como lidar com certas situações e comportamentos que vão surgindo durante a infância.

A consulta de Psicoterapia Infantil e do Adolescente traduz-se num processo terapêutico em que é criado um espaço relacional e empático, onde a criança é acompanhada, e através do brincar, do desenhar e/ou do falar, se provocam mudanças nos esquemas mentais das crianças e dos jovens de forma a organizá-los. Por outro lado, neste espaço é transmitido aos pais como lidar com os seus filhos, de forma a facilitar um desenvolvimento psicológico e emocional saudável.

A Psicoterapia Infantil é aconselhada quando se verificam:

  • Dificuldades de Atenção, Concentração;
  • Perturbação de Hiperactividade e Défice de Atenção;
  • Despiste de Dislexia;
  • Perturbações de Eliminação (enurese e ecoprese);
  • Recusa ao Brincar;
  • Comportamentos de Oposição, Desafio e Agressividade;
  • Problemas de Comportamento;
  • Birras;
  • Dificuldade no Controlo dos Impulsos;
  • Problemas no Sono;
  • Terrores Nocturnos, Medos e Ansiedades Generalizadas;
  • Dificuldades de Relacionamentos;
  • Insucesso Escolar;
  • Recusa Escolar;
  • Desmotivação Escolar;
  • Dificuldades de Aprendizagem;
  • Dificuldades da Leitura e da Escrita;
  • Antecipação na Entrada para a Primária;
  • Avaliação de Prontidão Escolar;
  • Depressão Infantil;
  • Problemas Alimentares;
  • Luto;
  • Instabilidade Emocional;
  • Dificuldades Sociais, entre outros sintomas.

A terapia de casal pretende ser um espaço de reencontro “a dois” com a ajuda do psicoterapeuta, bem como do equilíbrio e do bem-estar na vida amorosa. Neste sentido, apresenta como objectivo identificar, compreender e ajudar a superar dificuldades ou impasses na relação conjugal, ampliando as possibilidades de uma vida mais satisfatória para ambos os membros do casal. A terapia de casal procura auxiliar no encontro de novas respostas em períodos de crise que qualquer casal atravessa em determinados momentos do seu progresso de vida conjugal e familiar. Nesta consulta, são evidenciados os funcionamentos psicológicos de cada um, o funcionamento do casal, as suas narrativas e o vínculo que os une, enquanto sistema de interacção dinâmico, e na relação desse sistema com as suas famílias de origem, com os outros e com o mundo em geral.

É indicada para casais em diferentes fases do ciclo de vida e com dificuldades diversas, de entre as quais se podem destacar as seguintes:

  • Quando existem dificuldades de comunicação entre o casal
  • Relação extraconjugal de um dos membros do casal
  • Quando ambos sentem que estão próximos da ruptura
  • Quando existem conflitos motivados por ciúmes
  • Quando a rotina fez desaparecer a paixão
  • Quando a vida sexual é frustrante para um dos parceiros ou para ambos
  • Quando existem conflitos persistentes de qualquer tipo
  • Quando existem dificuldades de relação com as famílias de origem
  • Quando existem divergências na forma de gerir a relação com os filhos
  • Quando existe violência física e/ou emocional
  • Quando se verifica um desinvestimento na relação amorosa
  • Quando se verifica um acontecimento acidental na família, como problemas com um filho, nascimento de uma criança deficiente, suicídio na família ou crise económica súbita.

 

Na consulta de Terapia Familiar, os problemas e as questões trazidas pelos pacientes, assim como as suas soluções, são olhados e trabalhados numa perspectiva relacional e das suas emoções, em que o foco de intervenção está na unidade familiar, na sua dinâmica própria e no impacto que assume na dinâmica familiar.

Por outro lado, é muitas vezes nas famílias que residem igualmente muitas soluções para o crescimento emocional de cada um dos seus elementos e de todas a família, de modo a atingir-se um novo equilíbrio, maior qualidade de vida e bem-estar emocionais.

Procura-se assim auxiliar o encontro de novas respostas em períodos de crise, que qualquer família/casal atravessa em determinados momentos do seu progresso de vida familiar, contribuindo para detectar os aspectos que possam estar a contribuir para o problema e intervir ao nível da comunicação entre grupos familiares, com o objectivo de devolver a saúde individual e de grupo à unidade familiar.

Esta consulta destina-se a todos as famílias que atravessam uma crise e que gostariam de um espaço privilegiado e intermediado por um especialista, onde possam discutir o seu futuro e assumir decisões partilhadas, ou seja, pode destinar-se às famílias que entendem que as suas relações se pautam pela distância, conflituosidade, incompreensão ou que sentem que o seu mal-estar se associa diretamente à dinâmica familiar.

Áreas de Intervenção:

  • Situações de Luto
  • Apoio Parental
  • Divórcio
  • Instabilidade Emocional
  • Crises Conjugais
  • Conflitos
  • Infidelidade
  • Problemas de Comportamento Social/Escolar
  • Adaptação a Situações de Doença
  • Saúde Mental
  • Comportamentos Aditivos (álcool, drogas, jogo)
  • Agressividade/Violência
  • Transtornos Emocionais como Ansiedade e Depressão
  • Mediação familiar em situações de ruptura
  • Conflitos com a família de origem

O EMDR, é um método de dessensibilização e reprocessamento de experiências emocionalmente traumáticas por meio de estimulação bilateral do cérebro, a qual promove a comunicação entre os dois hemisférios cerebrais.

O processamento natural da informação é reposto e assim após uma sessão com EMDR, a percepção psicosensorial já não se manifesta como antes quando o acontecimento traumático é trazido à mente. As memórias ainda são recordadas mas o efeito perturbador desaparece. O EMDR recria o que acontece naturalmente durante o sonho ou o sono na fase REM (Rapid Eye Movement) e pode ser encarado como uma terapia de base fisiológica, que ajuda a pessoa a encarar e viver os traumas de uma forma nova e sem os efeitos perturbadores.

É um poderoso método psicoterapêutico. Um número substancial de estudos científicos já provou a eficácia do EMDR. Os resultados destes estudos indicam que se trata de uma técnica muito eficiente e que os resultados são duradouros a longo prazo.

Esta nova abordagem para o tratamento de traumas emocionais foi desenvolvida pela Drª Francine Shapiro, psicóloga americana, na década de 80, e desde então tem sido um dos métodos psicoterapêuticos mais amplamente pesquisados nos EUA, com recomendação especial da Associação Americana de Psiquiatria.

Fruto de larga pesquisa, as possibilidades de intervenção foram ampliadas passando a abranger as fobias, os transtornos do pânico, depressão e enfermidades psicossomáticas (Shapiro, 2007).

O Coaching é uma técnica que se dirige à área cognitiva da sua mente, utilizada para melhorar o seu desempenho, quer na sua vida pessoal, quer na sua vida profissional, visando a obtenção de resultados observáveis e mesuráveis, da sua performance e do seu grau de autoconfiança e de autorrealização, num curto espaço de tempo, previamente definido entre o Coach e o Paciente.

Áreas de Intervenção:

  • Autoconhecimento
  • Clarificar e organizar o pensamento
  • Aumentar a proactividade
  • Aumentar a criatividade
  • Melhorar a performance
  • Melhorar as relações interpessoais
  • Adquirir novos recursos, capacidades e ferramentas

A Nutrição surge na Clinica da AutoEstima como um complemento ao tratamento e redução de sintomatologia da Endometriose, mas também como uma parceira no caminho da AutoEstima.

“Somos aquilo que comemos”, declarava Hipócrates, pai da medicina, há milhares de anos, justificando o facto de a alimentação estar diretamente relacionada com a saúde. A maioria das pessoas procura um nutricionista para perder peso, mas na verdade este profissional de saúde pode contribuir para a manutenção da saúde e bem-estar em qualquer ocasião.

O nutricionista estuda os alimentos e a forma como o organismo os utiliza, em especial como os absorve ou metaboliza. As suas habilitações permitem-lhe avaliar as necessidades nutricionais individuais e desenvolver planos alimentares personalizados. Este profissional de saúde tem a capacidade de educar, aconselhar, monitorizar e apoiar ao nível nutricional. Médicos convencionais e outros técnicos de saúde reconhecem a importância e aconselham consultas de nutrição.

Yôga é uma filosofia de vida milenar.

Foi criada por Shiva há mais de 5000 anos, e é composta por uma variedade de técnicas que quando incorporadas no dia a dia do praticante, o catapultam para estados de consciência expandidos, promovendo evolução e qualidade de vida.

Ao praticar as diferentes técnicas diariamente, irá desenvolver força muscular, emocional e mental, e ganhar energia e vitalidade para usufruir de uma vida extraordinária. Aprenderá a gerir o Stress e as emoções de forma a conseguir direcionar a sua energia para o que quer, estimulando a criatividade e a realização de projectos e objetivos.

A prática de  Swàsthya Yôga visa dar ao praticante a autosuficiência necessária para que ele possa incorporar na sua vida tudo o que lhe é transmitido na sala de aula, e com isso desenvolver todas as suas potencialidades.

Meditação consiste em parar de pensar a fim de permitir que a consciência se expresse através de um canal mais subtil, mais profundo, mais abrangente, que está acima da mente. Antes da meditação podemos facultativamente, praticar uma técnica preparatória: o mindfulness.

Mindfulness designa o exercício de observar os cinco sentidos, o “ato de estar presente” sem dispersar. Ao estarmos presentes no “aqui e agora”, vivenciamos tudo o que nos envolve com outra perspetiva, o tempo expande-se, tornando cada experiência mais intensa.

Estar presente constitui a primeira etapa para meditação.

A mente humana é dispersa por natureza e os processos de condicionamento que recebemos desde que nascemos criam respostas condicionadas que nos fazem agir em piloto automático. É por isso que parar de pensar na teoria nos parece tão simples, mas é algo desafiante que requer treino e disciplina e de outras técnicas complementares.

Meditação é uma ferramenta para o autoconhecimento.

A nossa personalidade está em construção desde o momento em que nascemos, até ao momento em que morremos o que faz com que estejamos em constante aprendizagem e transformação. Transformação essa que nos é impercetível muitas vezes. Essa impercetibilidade deve-se à nossa dificuldade de parar e olhar para nós com atenção.

Sabes quem és?

O que realmente gostas?

O que te caracteriza e individualiza?

Conheces a tua essência?

Estas poderão parecer questões básicas, mas a tua história só começa quando realmente percebes o que se passa dentro de ti.

Na Avaliação da AutoEstima, vamos ao mais íntimo de ti. Este processo é dividido em dois momentos e contempla a entrega de um relatório final e de um plano de acompanhamento feito à sua medida.

Vem conhecer-te melhor e perceber como está a tua AutoEstima.

 

A Endometriose na Clínica da AutoEstima

A endometriose tem sido considerada uma patologia misteriosa, mas cada vez mais conhecida e divulgada. Apresenta-se sob a forma de tumores que envolvem vários órgãos pélvicos e está classicamente associada à dor pélvica, ciclos menstruais irregulares e infertilidade. Contudo, estes sintomas variam muito de mulher para mulher.

Esta doença, que é crónica, ocorre quando o endométrio – a parte que reveste o interior do útero e se desprende em cada ciclo através da menstruação – se encontra noutros locais, mais frequentemente na pélvis. Uma vez na pélvis, e com os ciclos menstruais da mulher, produzem-se pequenos sangramentos. Estes ao não serem corretamente eliminados pelo próprio organismo, serão responsáveis, em parte, pelo quadro de dor e infertilidade.

Estima-se que a incidência de endometriose em Portugal seja de 700 mil casos, sendo a endometriose profunda grave uma parcela muito pequena deste numero.

Nos últimos anos, não houve qualquer avanço no tratamento sintomático da doença e continua sem existir cura. Contudo,  neste momento o diagnóstico e início do tratamento podem ser mais céleres, o que, melhora a qualidade de vida das doentes.

 

Porquê a Clínica da AutoEstima como complemento ao tratamento da endometriose?

As interações íntimas entre os nossos pensamentos, emoções e imunidade são a base para a interpretação da mensagem que a endometriose representa para a mulher enquanto individuo.

Estudos sobre o sistema imunológico das mulheres com endometriose sintomática demonstram que estas mulheres quase sempre têm anticorpos contra o seu próprio tecido, chamados autoanticorpos. Isto significa que, bem lá no fundo, a consciência da pélvis rejeita os seus próprios problemas.

O sistema imunológico é altamente sensível, e a nossa sobrevivência depende da sua capacidade de reconhecer e distinguir entre si e o outro.

 

Então como podemos explicar que o nosso sistema imunológico desenvolva ações autodestrutivas?

Podemos basear-nos na evidencia de que o sistema imunológico transporta as mensagens das nossas mentes.

A endometriose pode ser considerada a doença da “competição”.

A endometriose desenvolve-se quando as necessidades emocionais de uma mulher entram em competição com a sua forma de funcionar no mundo exterior. Quando uma mulher sente que as suas necessidades emocionais mais íntimas entram em conflito direto com o que o mundo lhe exige, a endometriose é um dos caminhos que o corpo tenta utilizar para chamar a atenção para o problema. A chamada psicossomática em ação.

Normalmente, as doentes de endometriose, preocupam-se primeiro com tudo à sua volta e só depois consigo próprias. Mulheres que em vez de fazerem algo que lhes apetece estão preocupadas em resolver os problemas dos outros, que preferem fazer voluntariado ou procurar uma solução para a vida de alguém em vez de descansarem, até quando se sentem doentes. Colocam sempre as suas necessidades em ultimo lugar… esquecem a necessidade de autocuidado e rejeitam a possibilidade de sentir o que se está a passar emocionalmente dentro delas, dedicam-se exclusivamente ao mundo exterior. Quase como se existisse uma rejeição do seu Ser feminino.

Também se tem verificado uma correlação entre a baixa autoestima e esta doença, o que não é de admirar tendo em conta que a base do bem-estar é o amor próprio. Muitas mulheres com endometriose têm um autoconceito depreciativo “não sou suficientemente boa”, onde constantemente se sentem inadequadas e inferiores a todos os que as rodeiam. Como se tudo o que são ou fazem fosse sempre insuficiente para se valorizarem e sentirem-se merecedoras de amor e afecto.

 

As Mulheres com endometriose sintomática reagem melhor a um programa de tratamento global, onde os seus sistemas imunológicos são apoiados na sua totalidade.

A endometriose provoca sentimentos de incapacidade, culpa, medo, angústia, incerteza, inferioridade…

A Psicoterapia é uma ferramenta que facilita a capacidade de gerir todas estas emoções e potencia a capacidade de autocuidado e de descoberta das mudanças que necessita implementar na sua vida.

Uma vida tranquila, sem stress ou ansiedade, reduz a probabilidade de inflamação e consequentemente, alivia a sintomática da mesma.

Oferecemos um serviço multidisciplinar que tem o compromisso de aliviar sintomas e devolver qualidade de vida.

O Amor que há em Ti
5 etapas até à AutoEstima

O Workshop “O Amor que há em Ti” tem a ambição de direcionar a sua atenção para o seu eu interno. O eu, que realmente a caracteriza e torna pessoa. Esta vida é a sua história! Não valerá a pena criar uma história interessante? A maior aventura da sua vida é olhar para dentro de si e conhecer quem realmente é. Esse caminho poderá ser longo e com obstáculos, mas garanto-lhe que a sua persistência a levará à descoberta de si “Quem sou eu”, o veiculo para o destino mais desejado “AutoEstima”.


De uma Mulher para Mulheres que Amam Demais
Relações de co-dependência

Este workshop é pensado para as mulheres que se maltratam e deixam maltratar emocionalmente e psicologicamente, numa procura incessante de um «amor impossível de conto de fadas» em que continuam a acreditar que o homem que encontraram é o seu príncipe fantasiado desde sempre. Mesmo que comece a surgir o sapo por trás das vestes principescas, a crença é que são sempre elas as culpadas dessa transformação! Assim, suportam e submetem-se por culpa e por se amarem de menos.